search
Entrar

Tem uma dúvida?


Faça uma pergunta

0 votos
Dois funcionários entraram com processo trabalhista e o ex dela, advogado, não fez defesa. Minha esposa foi incluída como sócia em 1% da empresa do ex marido. Ele faliu e ela só soube após ele ter se divorciado dela. O carro é nosso único meio de transporte. Temos uma família de 5 pessoas (eu, minha esposa, dois adolescentes de 14 anos e uma criança de 4 anos). O carro está com bloqueio judicial e iremos perdê-lo. Ela assinou como "sócia" na época por apelação do então marido, para que ele tivesse "descontos em impostos". Diante da negativa dela à época, ele usou de apelos sentimentais à esposa grávida de que, "se nem ela como esposa o apoiasse em seus negócios, quem o faria?" Ela, visando paz em sua gravidez, assinou. Ele faliu, levou a esposa e a filha recém nascida para outro estado (do Paraná para São Paulo), e lá se divorciou da mesma. Ela retornou para a cidade onde moravam no Paraná (Cianorte) e lá descobriu tudo que havia acontecido. Ele, advogado TRABALHISTA, não fez defesa no caso e não manifestou nenhum acordo durante o processo. Esse processo foi feito à revelia e ELA só soube quando teve seu salário retido judicialmente. Agora perdemos carro e um pequena quantia em dinheiro que tínhamos em conta. Não podemos levar uma vida normal, enquanto o REAL devedor desfila de carros novos e realiza viagens até para fora do país, mas não coloca nada em seu nome para não ser citado e pagar o que deve. Inclusive, como advogado, sonega a declaração anual de imposto de renda, mesmo tendo recebido processos recentes. ATÉ QUANDO???
em Processo Trabalhista
editado por
Anúncio publicitário

Entre em sua conta ou cadastre-se para responder.

Isenção de responsabilidade

As respostas e comentários do Pergunte Direito não são aconselhamentos legais, não criam relações advogado-cliente e não são ofertas de serviços jurídicos. A finalidade deste site é restrita a estimular a troca de conhecimentos acadêmicos e de utilidade pública.

Se você ignorar este aviso e fornecer informações confidenciais em mensagens privadas ou públicas, não haverá obrigação de manter a informação sigilosa ou de renunciar a atuação contrária a seus interesses.

Consulte um advogado antes de fazer algo que possa afetar seus direitos.


Tem uma dúvida?


Faça uma pergunta

Perguntas relacionadas

...